Quando nos tornamos diferentes?

O ser humano evoluiu mais que todas as espécies e assim “dominou” o mundo; Pensou que com isso poderia decidir quem viveria e quem morreria.

Quem exatamente deu a ele esse direito?

deus? Alguns diriam que sim, já que acham que somos feitos à sua imagem e semelhança (se for parecido comigo é realmente bonitão :p).

Sendo assim, sigamos adiante.

Nessa brincadeira de dominação e invenção, o ser humano inventou deus, destruiu ou modificou tudo que esse deus “criou” e ainda assim espera que ele seja bonzinho no frigir dos ovos. Espera ir para o céu com um simples “E livrai-nos do mau, amém.”. Quanta arrogância.

Falamos e por isso acreditamos que estamos evoluindo. Que evolução é essa afinal? De onde saímos e onde realmente queremos chegar? Será que TV de plasma, internet sem fio e luz neon são realmente evoluções? A TV te aliena e aquece o planeta, a internet além de alienar, faz mal à saúde (as minhas costas doem que é uma beleza e minha barriga cresce como uma progressão geométrica) a luz neon causa câncer e todas essas evoluções obrigaram o homem a inventar o antidepressivo.

Quão escravos nos tornamos de nossas evoluções? Já se perguntou isso? Quanta ignorância.

Chegamos a um momento que vivemos pra elas, trabalhamos para pagar a TV que nos aliena, fazemos hora extra pra comprar um carro(nossa cadeira de rodas) que nos engorda, acreditamos que o trabalho enobrece o homem e que apenas o domingo é dia de descanso (mesmo quando trabalhamos como um burro ao sol). Se deus descansou somente no domingo, porque nós, filhos preferidos dele, poderíamos fazer diferente sem decepcioná-lo (acho que quem acredita nessa baboseira, não parou pra pensar que deus trabalhou 6 dias e ta aí de rolé até hoje, já o temente, precisa de 35 anos por uma aposentadoria magra).

A evolução nos deixa ansiosos; queremos tudo, queremos sempre mais, compramos um pensando no outro que não temos ainda, somente porque o outro tem cor diferente ou tem um botão a mais.

Por que somos tão ansiosos se sabemos que vamos morrer? Pressa pela morte?

Acho que não, é medo de não ter tempo pra ver tudo de “grandioso” que será inventado e tudo que se modificará depois que não estivermos mais aqui.

Pressa pela vida e medo da morte, daí a ansiedade.

Engraçado é constatar que ficamos ansiosos e com pressa de viver, mas morremos nosso tempo na frente da TV e da tela do computador.

Ou o mundo está errado ou Eu. Apesar de quererem me fazer acreditar que é o segundo, eu, com todas as TVs, internets e antidepressivos da vida ainda sei que o é o primeiro quem está deturpado.

E no final das contas, livrai-nos do mau amém. (vai que cola).

P.S.: Dessa vez vou indicar um livro, Ismael de Daniel Quinn. Um livro muito bom, totalmente dentro do assunto do texto e do blog e que por acaso achei disponível nesse link http://www.scribd.com/doc/3211348/Daniel-Quinn-Ismael. Quem quiser, eu tenho para emprestar.

Sigam aí com Korn – Evolution (sugestão do RafaWalter) e repetida, mas necessária, Pearl Jam – Do The Evolution, dessa vez, aconselho a assistirem aos clipes, pois são muito bons e pertinentes ao tema.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Com Categoria.

3 Comentários em “Quando nos tornamos diferentes?”

  1. Pedro Cipó Says:

    texto mto bem pensado e escrito como todos os outros.
    parabens Xará, sempre leio seus posts.

    abraço

  2. Pri Says:

    Eu quero o livro emprestado! Pode ser? 🙂

  3. Isabella Says:

    Muuuuito bom! 😉


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: